PREVISÃO DO TEMPO

 

TOP 10

  • 1 Maiara e Maraisa ft. Naiara Azevedo 50 Reais
    baixar
  • 2 Zé Felipe ft Ludmilla Não Me Toca
    baixar
  • 3 Luan Santana Eu, Você, O Mar e Ela
    baixar
  • 4 Eduardo Costa Fala
    baixar
  • 5 Justin Bieber Sorry
    baixar
  • 6 Matheus e Kauan Me Amar Amanhã
    baixar
  • 7 Marcos e Belutti ft Wesley Safadão Aquele 1%
    baixar
  • 8 Rihanna Work
    baixar
  • 9 Gusttavo Lima Homem de Família
    baixar
  • 10 Pen Drive de Modão Munhoz e Mariano
    baixar
vazio
Deputado protocola pedido de impeachment contra Sérgio Cabral - Rádio Alternativa FM 104,9 - Bom Jardim - RJ

NOTÍCIAS

Deputado protocola pedido de impeachment contra Sérgio Cabral

21/08/2013 20h13

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) protocolou na terça-feira (20), na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), um pedido de impeachment contra o governador Sérgio Cabral (PMDB).

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) protocolou na terça-feira (20), na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), um pedido de impeachment contra o governador Sérgio Cabral (PMDB).Freixo entrou com o requerimento baseado em uma reportagem publicada neste final de semana na revista "Veja", que aponta vultoso crescimento do patrimônio da mulher do governador,Adriana Ancelmo, após a ascensão de Cabral ao Executivo.Entretanto, Freixo deve encontrar dificuldade para colocar em votação o pedido de impeachment. A oposição ao governo Cabral conta com apenas dez deputados na Alerj, enquanto a base do governador ultrapassa a metade das 70 cadeiras (aproximadamente 55) no Legislativo.Os pedidos de impeachment passam primeiro pela Mesa Diretora da Casa, depois são enviados à Procuradoria da Alerj, que pode emitir pareceres de acordo com a legislação estadual, e voltam para a diretoria, que dá a resposta sobre a abertura ou não do processo, que precisa ser votado pelos deputados.De acordo com a reportagem da "Veja", o escritório Coelho&Ancelmo Advogados saltou de três profissionais e 500 ações, em 2006, para 20 advogados e 10 mil ações em 2012. A partir da posse de Cabral, o escritório da primeira-dama passou a contar em sua cartela de clientes com a Supervia e o MetrôRio, concessionárias de serviços públicos. Ainda segundo 'Veja', Adriana tem rendimentos mensais de R$ 184 mil por sua participação no escritório. O salário do governador é de R$ 20,6 mil, quase dez vezes menor. "Isso é um escândalo. Não pode ser tratado como uma questão privada, é uma questão pública a partir do momento que há um claro favorecimento da primeira-dama em contratos do escritório de advocacia vinculados ao governo cujo marido é o governador. Há um favorecimento direto do governador como membro de uma unidade econômica que é a família", disse Freixo. "É um crescimento desproporcional que nenhum outro escritório de advocacia teve." Para o deputado, a relação dos negócios de Adriana Ancelmo, seu papel como primeira-dama e a participação no governo não são transparentes e carecem de investigação. "O metrô contratou o escritório dela pra questões trabalhistas sendo que o escritório não tem essa especialidade. É uma relação entre público e privado que tem que ser investigada. A partir do momento que a primeira dama representa o governador num evento no Tribunal de Justiça, a partir do momento que a primeira dama ocupou cargo público independente de ser remunerado ou não, essa relação está evidente", disse.  Freixo comparou o caso da mulher do governador do Rio com a decisão da mulher do presidente norte-americano, Michele Obama, que decidiu parar de exercer a função de advogada após a chegada do marido à Casa Branca.  "A mulher do Obama, ela sim, uma advogada com grande reconhecimento, com doutorado, parou de advogar. A primeira dama aqui no Rio não só não parou, e eu não estou nem exigindo isso, mas passa a advogar para empresas que têm interesses públicos. Quem contrata essas empresas é seu marido, e ela é quem advoga", afirmou. "Não pode."   Procurado pelo UOL para comentar as denúncias e o pedido de impeachment, o governo do Estado afirmou em nota que "o questionamento quanto à primeira-dama patrocinar concessionárias do serviço público em causas que não tenham relação com o Governo do Estado RJ é datado de 2010, foi feito pelos deputados Marcelo Freixo e Alessandro Molon e foi arquivado pelo Conselho de Ética da OAB e também pelo Ministério Público".  Segundo o escritório Coelho&Associados "desde 2007, por deliberação dos sócios, não atua em processos administrativos e judiciais contra o Estado do Rio de Janeiro ou pessoas jurídicas por ele controladas, nem tampouco presta consultoria a seus clientes em matérias que envolvam interesse do Estado".

Ampliar

Protestos no Rio de Janeiro200 fotos

26 / 200
19.ago.2013 - Um grupo de professores grevistas protesta na esquina das ruas Delfim Moreira e Aristides Espínola, no Leblon, na zona sul do Rio de Janeiro, onde mora o governador do Estado, Sérgio Cabral Marcelo Carnaval/Agência O Globo

A concessionária MetrôRio limitou-se a informar que "o serviço de assessoria jurídica em processos judiciais é prestado por 18 empresas, dentre elas o escritório de advocacia Coelho&Ancelmo Associados".  Já a Supervia afirmou que é assessorada por 15 escritório de advocacia. "O escritório Coelho&Ancelmo Associados, com vários advogados, representa desde janeiro de 2010 a concessionária em cerca de 600 processos, num total de mais de 5.000 processos existentes. Todos os processos estão disponíveis para consulta no site do TRT-RJ", diz a nota.  

Helicóptero

No dia 8 de julho, Freixo já havia protocolado um pedido de impeachment contra o governador depois das denúncias, também da revista "Veja", de que ele usa irregularmente o helicóptero do Estado para transportar, nos fins de semana, sua família e alguns de seus empregados para sua casa em Mangaratiba, na Costa Verde, e para deslocamentos diários entre a Lagoa, local onde está o heliporto estadual, e o Palácio Guanabara, sede do governo. De acordo com o gabinete do deputado, o pedido ainda está com a Mesa Diretora da Casa.  A oposição também já tentou levar adiante o impeachment de Cabral quando foram divulgadas viagens do governador à Europa ao lado do dono da empreiteira Delta, Fernando Cavendish, em setembro de 2009, episódio que ficou conhecido como "Farra em Paris", mas o pedido foi arquivado.

Mais Notícias

  • 11/03/2016 - Foro privilegiado não é automático se Lula for nomeado ministro
  • 01/03/2016 - Anatel vai investigar empresas que financiam Rádios que operam sem autorização em São Paulo
  • 26/01/2016 - Figueiredo discute melhorias para Rádios Comunitárias
  • 25/01/2016 - Prefeito Paulo Barros e ex Prefeito Affonso Monnerat São condenados por improbidade.
  • 03/12/2015 - Pedido de impeachment de Dilma: os argumentos ponto a ponto
  • 25/11/2015 - Polícia Federal prende senador Delcídio do Amaral e o banqueiro André Esteves
  • 08/11/2015 - Trabalhos em áreas atingidas tentam localizar sobreviventes em Mariana
  • 01/11/2015 - Taís Araújo será chamada para depor sobre racismo sofrido na web
  • 01/11/2015 - Tubulação de água se rompe e muro de contenção desaba no bairro São Jorge
  • 01/11/2015 - Avião russo que caiu no Egito se despedaçou no ar, diz investigador

NO AR

Programa:

Madrugada Alternativa

Com: Auto Dj

Até às 05h00

Clique e participe das promoções

CÂMARA Ver +

  • 1 ENTREVISTA COM OS VEREADORES parte 2 Gastão, Adail e Gabriel 20.12.2014
    baixar
  • 2 Entrevista AFFONSO MONNERAT 19/09/2014
    baixar

Entre em contato: Tel.: (22) 2566-2901

Copyright 2017 RÁDIO - Rio de Janeiro – RJ «« Todos os direitos reservados »»

 

Sistema de WEB-RÁDIO e Streaming FW Solutions